Posts Tagged 'aluguel'

Onde ficar em Buenos Aires? Retiro (ou o mais perto do Centro onde é razoável se hospedar)

Você está indo pela primeira vez a Buenos Aires e não abre mão de se hospedar no Centro, porque acha que vai ficar mais perto das atrações que visitará numa primeira viagem?
É verdade que muitos dos pontos turísticos que todo mundo quer ver da primeira vez em Buenos Aires estão no Centro ou perto dele (e por “Centro”, entenda-se o que eles chamam de “Microcentro”). Mas a minha impressão dessa parte da cidade não é das melhores… Eu acho o lugar muito barulhento e cheio de gente durante o dia e meio suspeito à noite. Ou seja, é como o centro de qualquer grande capital aqui do Brasil, e esse não é o tipo de lugar em que eu gostaria de dormir e acordar.

Mas existe um pedacinho da cidade cheio de charme bem perto dali. Estou falando do Retiro, o bairro que fica no entorno da Plaza San Martin, até a Avenida 9 de Julio. 

BsAs-Retiro

A cara do Retiro

A “identidade visual” do Retiro tem mais a ver com a Recoleta do que com o Centro propriamente dito. Eu sempre penso nele como um pedaço da Recoleta que ficou do lado errado da Avenida 9 de Julio!

Esse aqui não é o post adequado para eu falar de tudo o que gosto no Retiro (vou fazer outro post sobre esse assunto), mas o fato é que as ruas ali são mais tranqüilas e mais bonitas que no resto do Centro e acho o local seguro (já fiquei hospedada em um hotel nessa região).

E tudo isso está a uns 5 minutos de caminhada da Calle Florida, a rua de pedestres em que todo brasileiro adora fazer compras e que liga a Plaza San Martin à Plaza de Mayo, onde está a Casa Rosada. Ou seja, o Retiro é central o suficiente para fazer a pé todos os passeios que você quiser. Não é à toa que muitos hotéis de luxo têm unidades nesse bairro, como é o caso do Sofitel, do Marriot e do Sheraton.

No Retiro – que em alguns sites de imobiliárias está registrado como “Plaza San Martin” mesmo -, eu gosto mais da parte que fica entre as Avenidas Santa Fé e as Calles Arenales, Juncal, Arroyo e suas transversais.

Eu sei, eu sei, olhando no mapa, isso corresponde a um espaço bem pequenininho, mas eu avisei que não gostava do Centro, não foi?

Anúncios

Onde ficar em Buenos Aires? Palermo

Primeiro, uma explicação didática sobre as divisões desse imenso bairro de Buenos Aires. Por ser tão extenso, e porque cada parte dele tem características bem distintas, hoje existem vários “Palermos”. Para ter uma idéia da quantidade de subdivisões do bairro, basta ver a Wikipédia… Vou tentar resumir, então:

Palermo (sem qualificação), ou Palermo Botánico: região mais próxima dos parques (Jardim Botânico, Rosedal, Jardim Japones e Parque Tres de Febrero);

Alto Palermo: região próxima do Shopping de mesmo nome (na esquina da Av. Santa Fé com Bulnes). Concentra consultórios de psicólogos, psiquiatras e assemelhados, daí também ser conhecido Villa Freud; 

Palermo Viejo: engloba Palermo Soho e Palermo Hollywood; 

Palermo Soho: é a região no entorno da Plaza Serrano (ou Plaza Cortázar). Quanto mais perto da praça, mais Soho é Palermo. O nome vem da comparação com o Soho de Nova York. Essa parte de Palermo vai até a linha de trem que corta o bairro, margeando a Av. Juan B. Justo;

Palermo Hollywood: fica do outro lado da linha do trem, até a Calle Dorrego. Tem esse nome por causa das produtoras de TV que se concentram na região. 

Dito isto, falemos de hospedagem.

BsAs-Rosedal

Parque Rosedal, em Palermo

Palermo ou Palermo Botánico: essa parte do bairro é bem residencial, com um comércio não tão interessante, mas é um ótimo lugar para ficar, especialmente para quem não abre mão de manter a rotina de exercícios mesmo quando está viajando. Com os parques ali do lado, fica irresistível! Acho que essa é a principal vantagem da região.

Nesse trecho, minha parte preferida são as ruas que ficam ao lado do Jardim Zoológico (República de la India, Lafinur, República Arabe Síria e suas transversais).

Alto Palermo: é uma opção para quem quer ficar perto de uma estação de metrô, que passa na Av. Santa Fé. Essa parte de Palermo não tem grandes atrações, fora das ruas principais é um bairro residencial como outro qualquer.

Mas, se o metrô for mesmo essencial nos planos de viagem, eu escolheria um apartamento próximo às estações Bullnes ou Scalabrini Ortiz. Explico: além de ter um shopping como ponto de apoio (o Alto Palermo), na Calle Charcas, tem uma pequena área com cafés, perto da Plaza Güemes, o que é muito útil para começar o dia ou para um lanche na volta dos passeios. Já a região perto da estação Plaza Itália é muuuito muvucada e sem nenhum atrativo. Eu evitaria especialmente a Av. Santa Fé e as Calles Borges e Thames, que concentram o trânsito de e para Palermo Viejo.

BsAs-Palermo

A cara de Palermo Soho

Palermo Soho: se o objetivo da viagem é fartar-se com a gastronomia portenha, uma boa opção de hospedagem é Palermo Soho, já que grande parte dos restaurantes mais interessantes de BsAs está ali (ou em Palermo Hollywood, em Las Cañitas etc.). E essa parte do bairro também é interessante durante o dia, porque é cheia de lojinhas de objetos de design, de roupas, de quinquilharias em geral e cafés deliciosos, com mesas nas calçadas.

BsAs-Palermo 2

Essa também é a cara de Palermo Soho

Agora, ninguém se engane pensando que Palermo Soho é todo perfeitinho. O bairro, até pouco tempo atrás, não tinha esse ar descolado de hoje. Então, do lado das boutiques moderninhas, pode aparecer… uma oficina mecânica, uma serralharia e coisas do gênero. Mas nada que estrague o charme do lugar.

Como já falei antes, quanto mais perto da Plaza Serrano (Plaza Cortázar), mais interessante fica o bairro, regra que vale para escolher a melhor localização para o apartamento.

Palermo Hollywood: sobre esse pedaço de Palermo, Ricardo Freire acaba de deixar seu veredicto aqui: “Mas o que deu para sacar mesmo, e eu já deveria ter imaginado, é que Palermo Hollywood não é um lugar agradável de dia. De noite a muvuca dos restaurantes é bacana, mas de dia não tem graça nenhuma — tem um comércio de bairro que nem pitoresco mais é. Ou seja: ou você está bem instalado, num apê ou num hotel onde seja muito gostoso ficar, ou nada feito. (A mesma situação de decepção com apartamento na Recoleta ou em Palermo Soho seria bem mais contornável: basta descer e fazer dos cafés a sua área social…)”. Nem me atrevo a acrescentar mais nada! 

Uma dúvida que pode surgir na hora de optar por uma hospedagem em Palermo (em geral) é relativa à distância dos outros bairros. Olhando no mapa, é verdade que uma caminhada de Palermo até o centro não é viável (a não ser para um maratonista…). Mas é verdade também que os táxis em Buenos Aires continuam bem baratos (uma corrida desse tipo não deve passar de uns $ 25,00 pesos – R$ 12,50). E também dá para combinar o táxi com o metrô, economizando um pouco mais ou mesmo para evitar o trânsito nos horários de pico. Então, embora eu ache que, numa primeira viagem, a gente tem mais programas pra fazer lá para os lados do Centro, não acho de todo inadequada uma hospedagem em Palermo, é só uma questão de estilo. Até porque, ficando em outra parte da cidade, vai ser preciso ir a Palermo (ou além!) para jantar várias vezes…

Onde ficar em Buenos Aires? Recoleta e Barrio Norte

No post anterior, falei sobre as vantagens de alugar um apartamento de temporada para se hospedar em Buenos Aires. Depois de tomada a decisão de dispensar o hotel, surge a dúvida: qual o melhor bairro para ficar? Para ajudar a resolver a questão, vou fazer um guiazinho sobre os locais que considero mais interessantes para ficar na cidade.
BsAs-Recoleta

A cara da Recoleta

Recoleta: essa é a minha parte preferida de Buenos Aires. O bairro tem uma cara francesa, com um café em cada esquina, muitas praças, lojas finas para distrair a vista e prédios luxuosos, para sonhar…

Apesar de ser um bairro residencial, as ruas principais têm bastante movimento e um ótimo comércio de bairro. Em cada quadra, existe um “quiosco”, uma espécie de mini mercado, que vende os itens de primeira necessidade, ótimo para quem aluga apartamento e precisa abastecer armário e geladeira. Além disso, o bairro é seguro, o movimento de pessoas nas ruas é grande mesmo tarde da noite. 

Ficar na Recoleta é bom mesmo para o turista que viaja pela primeira vez à cidade, já que o bairro é central, tem fácil acesso para o sul (Centro, San Telmo, La Boca) e para o norte (Palermo). Quem gosta de caminhar, pode até ir ao centro a pé. Além disso, na Recoleta mesmo, há muitas atrações turísticas: o Museo de Bellas Artes, o cemitério da Recoleta, a feirinha da Plaza Francia nos fins de semana, a escultura Floralis Generica etc. 

O mapa abaixo, retirado do guia Time Out (incluí nele só o nome da Avenida 9 de Julio), mostra com clareza os limites de cada bairro. Toda a Recoleta é uma região boa para se hospedar, mas vou tentar explicar as características de cada parte do bairro. 

Mapa Time Out - Recoleta e Barrio Norte

Recoleta e Barrio Norte - Fonte: http://www.guiatimeout.estadao.com.br

A parte que fica entre a Av. 9 de Julio (que, no mapa, aparece só o comecinho), à esquerda do cemitério, é a mais charmosa e sofisticada. Eu só evitaria as ruas principais, a Callao e a Cerrito, pelo barulho e pelo trânsito. As calles Posadas, Alvear, Quintana, Guido e Vicente Lopes e suas transversais são todas ótimas. 

Mais para os lados das Avenidas Santa Fé e Las Heras, e perto da Av. Pueyrredon, acima do cemitério, o bairro continua ótimo, mas tem um pouco mais de comércio, os prédios já não são tão finos… Eu até prefiro ficar nessa área, porque já está a uma distância caminhável do metrô (a estação mais próxima está na Santa Fé com a Pueyrredon, já no Barrio Norte). Nessa região, qualquer apartamento na Pacheco de Melo, Peña, French, Juncal e Arenales e suas transversais é válido. Por causa do barulho, mais uma vez, eu evitaria as avenidas principais (Santa Fé, Las Heras e Pueyrredon). 

Do outro lado do cemitério, à direita da Av. Pueyrredon, fica um pedaço da Recoleta conhecido como La Isla (no mapa, é onde tem um emaranhado de ruazinhas entre o cemitério e a Biblioteca Nacional). Quem passa por ali entende o porquê do nome: uma elevação do terreno em relação à Avenida del Libertador faz com que esse pedacinho do bairro fique meio isolado, como se fosse uma ilha mesmo. Nos sites de imobiliárias, não me lembro de ter encontrado apartamentos localizados por aí, mas é um lugar bem agradável, tranqüilíssimo, mesmo estando ao lado da Av. Las Heras. Ficaria lá se encontrasse um apartamento bom. 

BsAs-Barrio Norte

A cara do Barrio Norte

Barrio Norte: é a continuação natural da Recoleta. Dá para ver no mapa que, na altura da Av. Callao, a Santa Fé já não faz parte da Recoleta, e sim do Barrio Norte. Essa região, que vai desde a Recoleta e está limitada pelas Avenidas Santa Fé e Pueyrredon, é ótima para se hospedar. 

As vantagens de ficar nessa área são a proximidade do metrô, que tem algumas estações na Av. Santa Fé, e o comércio dessa rua, que dispensa perder tempo indo aos shoppings. Na minha última viagem, fiquei bem na divisa Recoleta-Barrio Norte, na esquina das calles Juncal e Uriburu, um local excelente! 

No Barrio Norte, eu evitaria ficar para além das fronteiras da Santa Fé e da Pueyrredon. Não é que fora dessa área seja ruim ou perigoso, nem nada: é apenas sem graça. A regra é essa: quanto mais distante da Recoleta, mais sem graça para o turista fica o Barrio Norte. Então, se a gente encontra ótimos apartamentos num lugar mais charmoso, porque ficar num local tão sem atrativos?

Continuarei o assunto no próximo post.

Alugar apartamento de temporada em Buenos Aires vale a pena?

Apartamentos

Nas últimas vezes em que fui a Buenos Aires, troquei o hotel por um apartamento. Só fiquei em hotel na primeira visita à cidade, e isso mesmo porque, nessa época, o aluguel ainda não estava tão disseminado, e, como eu não conhecia a cidade, fiquei insegura quanto à melhor localização.

A minha impressão é de que alugar apartamento proporciona uma experiência mais próxima da “vida normal” dos moradores da cidade, já que, tendo uma casa, a gente vai ao supermercado, à lavanderia, conversa com o porteiro, com o zelador etc. 

É claro que existem desvantagens ao optar pelo aluguel temporário. A mais óbvia é a falta dos serviços que um hotel oferece, como recepção e serviço de quarto 24h, arrumadeira todo dia, café-da-manhã. 

Mas não ter serviço de quarto abre duas opções igualmente interessantes: encher a geladeira de lanchinhos deliciosos ou explorar os cafés e restaurantes do bairro (e, acredite, BsAs é cheia de ótimas surpresas em cada esquina). 

É claro que, por não ter uma recepção funcionando 24 horas, ao alugar um apartamento, é preciso certa organização para fazer o check in e o check out. Algumas agências cobram uma taxa extra para entregar o apartamento fora do horário comercial ou nos fins de semana; outras, podem não entregar durante a madrugada, mesmo que o cliente se proponha a pagar um acréscimo. Mas tudo isso pode ser resolvido com planejamento e com um telefonema logo que o avião pousar, para fazer com que o procedimento de entrega seja mais rápido. 

Pode até surgir uma certa insegurança ao alugar um apartamento em outro país, afinal, se houver algum problema, como resolver? Mas a verdade é que, hoje, esse negócio está muito profissionalizado, e são raros os relatos de pessoas que se decepcionaram com o aluguel. Fazer uma boa pesquisa, com exame minucioso das fotos e uma leitura cuidadosa das características do apartamento e das regras do contrato também previnem problemas. E também não há garantias de que o hotelzinho que parece charmoso e confortável nas fotos do site seja assim ao vivo… 

Mas a grande vantagem do apartamento é o precinho amigo. Numa determinada faixa de preço, é possível alugar um apartamento muito melhor e mais espaçoso do que um quarto de hotel de preço equivalente. Assim: se você se dispõe a pagar U$100,00 de diária, pode escolher entre um hotel médio numa localização sem graça e um apartamento de luxo! 

E, se procurar um apartamento com o mesmo nível de conforto daquele hotel médio, vai pagar menos da metade do preço do hotel, e, provavelmente, conseguirá uma localização melhor. Hoje, por cerca de U$ 300,00 dólares (ou até menos, sabendo pesquisar), um casal pode se hospedar em BsAs por 07 dias em um estúdio confortável e com excelente localização. U$43,00 por dia é um preço imbatível!

Esse post do Idas & Vindas  tem muitas informações importantes sobre o aluguel de apartamentos em Buenos Aires. Neste outro, do Viaje na Viagem, há uma lista de várias imobiliárias que oferecem o serviço (eu mesma só testei a ByTArgentina e recomendo).


Blogs de Viagem
Anúncios