De Berlim a Praga: os planos

O roteiro: os meus planos* para essa viagem incluíam Berlim – Cracóvia – Varsóvia – Budapeste – Viena – Praga. O plano original era ir para Berlim, Budapeste, Viena e Praga, mas, depois de olhar o mapa e ler um pouco sobre esses destinos, a Polônia entrou no roteiro com duas cidades. Toda essa região tem uma identidade histórica e cultural parecida (a Casa dos Habsburgos, as duas guerras mundiais, o socialismo, a queda desse regime), e achei que seria interessante condensar tudo em uma mesma viagem. 

Tinha bastante tempo para viajar, pretendia cumprir o roteiro em mais de 20 dias. No final, meu tempo foi distribuído assim: 

Berlim – 05 dias inteiros (sem incluir o dia da chegada e o da saída);

Cracóvia – 02 dias inteiros;

Varsóvia – 02 dias inteiros;

Budapeste – 03 dias inteiros;

Viena – 03 dias inteiros (talve com um pulinho em Bratislava);

Praga – 05 dias inteiros.

A ordem das cidades pode parecer meio estranha, porque, olhando no mapa, Varsóvia está mais perto de Berlim que Cracóvia, que está mais perto de Budapeste do que Varsóvia. Mas escolhi essa organização por causa dos meios de transporte entre as cidades. O que leva ao próximo tópico…

Os meios de transporte: adoro viajar de trem na Europa. Acho TÃO civilizado! Mas o meu roteiro tinha cidades bem distantes entre si. De Berlim para Varsóvia, por exemplo, eram quase seis horas; de Cracóvia para Budapeste, quase dez horas, na melhor das hipóteses (os horários estão aqui). Também não estava disposta a pegar trem noturno. Então, minha primeira decisão foi de que, pelo menos para Budapeste, eu iria de avião.

Aí, Cracóvia, que está no sul da Polônia, fica mais perto de Budapeste. Mas os vôos entre as duas cidades passavam necessariamente por Varsóvia ou por Viena ou por… Enfim, não havia vôos diretos. Além disso, pesquisando no Kayak, os preços do trecho Cracóvia – Budapeste sempre eram muito mais altos que os dos vôos partindo de Varsóvia. Também encontrei uma passagem com preço razoável de Berlim para Cracóvia, direto, uma horinha de viagem, pela Air Berlim.

Então, decidi fazer assim: de Berlim pra Cracóvia de avião; de lá para Varsóvia de trem (cerca de três horas de viagem) e depois de avião, pela LOT Polish, para Budapeste. Os demais trechos, entre Budapeste, Viena e Praga, faria de trem.

Um detalhe: os trechos de avião que passavam pela Polônia não foram lá muito baratos… É preciso pesquisar bastante! Uma dica que achei no Viaje na Viagem e que não usei, mas pode ser útil, é o Click4sky, um site de vendas de passagens da Czech Airlines, a principal companhia aérea tcheca, a preço promocional.

Passagem Brasil – Europa: comprei com a TAM. Na ida, fui de São Paulo a Berlim, via Londres (o trecho Londres – Berlim foi operado pela BMI). A volta seria Praga – São Paulo, via Frankfurt (Praga – Frankfurt, pela Lufthansa), mas acabou sendo Budapeste – São Paulo, também via Frankfurt.

Para mim, que moro no Nordeste, a primeira opção é sempre a TAP , entrando por Lisboa. Mas, se fosse voar pela TAP, precisaria fazer duas conexões na Europa, já que não abria mão de começar a viagem por Berlim, e a TAP não voa pra lá. Na volta, também precisaria fazer outras duas conexões ainda na Europa.

Quando pensei no programa de fidelidade da TAM, onde concentro minhas milhas, acabei decidindo viajar com essa empresa, apesar de o loooongo vôo partindo de São Paulo me desanimar um pouco. No final, nem foi tão ruim como eu pensava…

Dinheiro: estava pensando em me jogar no cartão de crédito nessa viagem, mas poucos dias antes de partir, a Grécia degringolou de vez, e o euro começou a subir. Então, decidi apelar mais uma vez para o Visa Travel Money. Sábia decisão! Nem sei se ganhei ou perdi dinheiro, pois não acompanhei mais o câmbio (se aconteceu, a diferença foi mínima), mas foi muito prático poder sacar dinheiro nos caixas eletrônicos de cada país nas moedas locais e não ter que me preocupar em cambiar euros a cada parada (Polônia, Hungria e República Tcheca estão fora da zona do euro).

* Como falei no post anterior, essa viagem não chegou a ser concluída, então, parte do roteiro ficou só nos planos mesmo…

Anúncios

61 Responses to “De Berlim a Praga: os planos”


  1. 1 Alessandro A. 19/07/2010 às 10:49

    Wanessa,
    Muito legal o seu roteiro e já guardei o seu primeiro post sobre Berlim. Vou acompanhar de perto a sua viagem, pois desejo fazer uma parecida no futuro, apesar de já conhecer Viena e Praga.
    Um detalhe interessante para você, é que agora você já pode acumular milhas no fidelidade TAM voando TAP também. Elas já tinham uma parceria antes, mas agora a TAM entrou definitivamente para a Star Alliance e ficou tudo mais fácil.

    Abraços!

    • 2 Wanessa 19/07/2010 às 21:05

      Obrigada, Alessandro! Não sei com que freqüência vou conseguir publicar, mas, devagarzinho, vou relatando tudo.

      Sobre a TAM e a Star Alliance: além do trecho que fiz com a própria TAM, eles já creditaram um trecho que fiz com a BMI (companhia inglesa membro da Star Alliance). Vou tentar que creditem um da LOT Polish também. Agora, acho que perdi o crédito da volta para o Brasil, pois o trecho inicial era com outra companhia, a Lufthansa, e, nessa situação, teria de enviar o cartão de embarque para eles. Mas quem disse que encontro o dito cujo?

  2. 3 Alessandra 23/07/2010 às 22:11

    Olá Alessandro.

    Estou começando minha pesquisa sobre os paises que gostaría de conhecer no próximo ano (julho) Não tenho a minima noção do que eu poderia fazer em 20 dias. Polonia é um dos que quero conhcer ,Cracóvia ,auschwitz. mas gostaria de conhecr alguns paises por perto.Não tenho muito tempo nesta area pq depois tenho q ir à Belgica onde tenho parentes.Tenho preferencia para viajar de trem,mas não consigo encontrar um site que me indique as linhas q existem.Se vc puder me dar uma luz e qual o melhor roteiro te agradeço muito!!
    abraços
    Alessandra

    • 4 Wanessa 24/07/2010 às 8:52

      Oi, Alessandra!

      Nesse começo, você tem mesmo que ler muita coisa pra poder definir o seu roteiro. Fica difícil alguém de fora sugerir sem saber dos seus gostos, suas preferências… Que bom que você tem bastante tempo pra planejar!

      Apenas por uma questão de praticidade, te digo que, se você “tem” de ir à Bélgica, fica muito fácil visitar de trem para a Holanda e a França. Concentre seu roteiro entre Paris e Amsterdam (da pra ir de trem também a Londres, e, como você tem 20 dias, daria tempo). Se você achar essencial ir a Cracóvia, mude sua viagem para o “outro lado do mapa”: suba da Bélgica para Amsterdam e de lá siga para Berlim e Cracóvia. Mas Cracóvia ainda fica bem distante de Berlim, não indico ir de trem não. Você sempre pode encontrar um vôo baratinho saindo de Londres ou Berlim, por exemplo, para dar um pulo em Cracóvia.

      Vou deixar uns links que podem ser úteis pra você começar sua pesquisa: http://www.viajenaviagem.com/2007/04/a-primeira-viagem-a-europa/ http://www.viajenaviagem.com/2007/08/europa-aviao-trem-ou-carro/ http://www.viajenaviagem.com/2010/07/europa-quantos-dias-em-cada-lugar/

  3. 5 Alessandra 24/07/2010 às 23:20

    olá Wanessa…valeu pela resposta!!!

    Então…minha cunhada que mora na Bélgica me sugeriu que fosse primeiro para a polonia e visitasse alguns lugares que não fossem muito distantes uns dos outros.pensei em Berlim , Praga, Cracóvia ,auschwitz, depois disso tenho que seguir para a Bégica de onde faremos as visitas de carro ou trem. Nesta volta é que eu gostaria de incluir algum lugar que valesse a pena pois o trecho parece ser grande aproximadamente 1,300 km,e pretendo que seja de trem. Vc tem mais opções? oque vc sugere? Unica coisa que não me agrada são lugares muito urbanos. Um abraço

    • 6 Wanessa 25/07/2010 às 19:24

      Oi, Alessandra,

      Primeiro de tudo: se você não gosta de cidade grande, talvez não goste de Berlim. Procure ler sobre a cidade para ver se te agrada e se vale a pena incluí-la no roteiro, considerando seu gosto pessoal.

      Supondo que você não abre mão de fazer essa viagem de trem (mesmo que seja demorado e até mais caro), acho que uma boa ferramenta para te ajudar a visualizar as possibilidades de roteiro é o site das ferrovias alemãs: http://www.bahn.de. Você escolhe as cidades de origem e destino (coloque os nomes na grafia inglesa – krakow, Berlin, prague etc.), aí, vão aparecer as opções de trens. Selecione uma delas na setinha à esquerda e clique em “Show map” para ver o mapa com a rota do trem.

      Mas isso é só para te dar uma noção do caminho, porque, em uma viagem tão longa, o melhor é você escolher umas duas cidades, mesmo que estejam fora da rota certinha do trem, e parar alguma(s) noite(s) em cada uma delas (eu não gosto da idéia de dormir em trem…). Essas paradas devem acontecer na Alemanha (que fica entre a Polônia e a Bélgica), e, como nunca li muita coisa sobre o país (só fui a Berlim), não posso te ajudar na escolha.

      Para que a sua viagem saia do jeito que você quer, você mesma precisa olhar o mapa e pesquisar sobre as cidades da região para pensar no que lhe atrai mais, ok?

      Qualquer coisa, estou por aqui.

  4. 7 Athos Eichler Cardoso 28/07/2010 às 11:11

    Oi Alessandra.
    Já comprei as passagens para Paris 14 out
    pretendo fazer as cidadesImperiais partindo de lá e voltando Brasil via Paris.
    Seu plano ajudou a pensar.Estamos eu e ela com 76 anos.
    Vou seguir a sua idéia de VIsaCard.
    Escrevo para vc depois com algumas perguntas.
    Sou veterano em materia de viagem mas com 76 anos estou ficando medroso.
    Grato Abrs
    Athos

    • 8 Wanessa 28/07/2010 às 11:35

      Nossa, Athos, vocês são um exemplo! Quero chegar aos 76 anos assim, viajando e aproveitando o que há de bom no mundo inteiro!Responderei suas perguntas com o maior prazer, mas desconfio que você e sua mulher é que têm muito a ensinar.Abraço,Wanessa

      Em 28/07/2010 11:11, comment-reply@wordpress.com <

  5. 9 Eliane 06/04/2011 às 16:48

    Oi, Wanessa!

    Pretendo ir para o leste europeu em agosto e seus posts têm ajudado bastatne! Estou “copiando” seu roteiro e gostaria de saber como foi sua ida de trem da Cracóvia para Varsóvia: compra de passagem, preço, se as estações são distantes das áreas turistáveis, como foi o trajeto em si.

    Abraço!

    Eliane

    • 10 Wanessa 06/04/2011 às 17:57

      Eliane, que bom que as (poucas) informações que coloquei aqui sobre essa viagem estão ajudando! Vamos lá:A compra da passagem em Cracóvia foi bem tranquila. A estação é muito central mesmo, bem perto da parte mais turistável da cidade. O meu hotel ficava perto do Barbican, que é a “porta” da antiga muralha medieval da cidade. De lá até a estação, dava uns 10 minutos de caminhada, mesmo carregando a mala (o que descobri logo na chegada, vindo do aeroporto, pois o trem que sai do aeroporto para a cidade para nessa estação).Comprei minha passagem no dia seguinte ao da chegada a Cracóvia. Não me lembro mais quanto foi, mas a atendente foi muito gentil e me ofereceu um horário próximo que tinha uma passagem mais barata do que o horário que eu tinha pedido originalmente. E também me perguntou se eu queria marcar o lugar – o que eu quis, mesmo pagando um pouquinho a mais, pela segurança de ter um lugar só meu!O trem er a simples, daqueles que têm cabines com seis poltronas e um corredor do lado de fora. Não estava lotado. Como a viagem foi curta, foi bem confortável (ah! era segunda classe) e nem fui ao vagão restaurante.Já em Varsóvia, a estação fica um pouco mais afastada da zona turística, muito embora a maioria dos hotéis que eu encontrei na minha pesquisa fiquem perto dessa estação de trem, e não da cidade antiga. Eu optei por um hotel mais para os lados da cidade antiga, e, como cheguei meio tarde – 23:00h mais ou menos – decidi pegar um táxi até o hotel. Não tenho notícia de desonestidade dos motoristas poloneses, mas o meu foi honesto, pois fez o caminho de forma rápida, e a corrida saiu barata (também fico devendo o preço, mas essa foi minha impressão). De dia, eu não voltei à estação de trem, mas passei por perto. Sei que tem metrô e paradas de vários trams por perto. O sistema de ônibus de Varsóvia também é muito bom e fácil de entender. Mas, se você chegar à noite, pense se vale o esforço (eu tenho uma regra de ouro que é nunca pegar transporte público na chegada a uma cidade desconhecida à noite – a segurança e o conforto não têm preço!).Qualquer dúvida, pergunte que eu vou colocando mais informações! 

      Em 06/04/2011 16:48, comment-reply@wordpress.com <

  6. 11 Eliane 06/04/2011 às 19:46

    Obrigada, Wanessa!

  7. 12 Leila 27/04/2011 às 22:48

    Cara Vanessa,
    Por acaso descobri seu Blog e gostei por sua objetividade.
    O que me animou a lhe escrever.
    Tenho um compromisso acadêmico em fins de junho em Portugal,resolvi viajar uma semana (exatamente oito dias) antes e fazer uma breve circulada com as minhas milhas.
    Assim,lhe pergunto. É viável sair de Lisboa para Budapest,seguir para Praga e de lá alcançar Berlim e voar de volta a Lisboa?
    Que sugere?
    Onde ficar? Uma amiga disse que devemos para na área de Mette (?) fica próximo ao Hotel que você ficou em Berlim? Ou estou fazendo confusão? Deve ser a idade!!!
    Desculpe tantas perguntas.
    Um abraço

    • 13 Wanessa 28/04/2011 às 8:07

      Oi, Leila! Acho o seu roteiro muito “ambicioso” para o tempo de que você dispõe. 3 cidades grandes e com muita coisa para conhecer é muito para os seus 8 dias (que não são 8, porque os dias em que você fará os deslocamentos ficam muito prejudicados, não dá pra contar com eles pra fazer bons passeios). Vocês teriam de “correr” muito, e a viagem acabaria ficando cansativa e até estressante. Minha sugestão é que você escolha duas dessas cidades para visitar e fique 4 noites em uma e 3 na outra. Qualquer que seja sua escolha, tenha em mente que vai precisar viajar de avião de Lisboa para uma delas e da segunda cidade de volta para Lisboa. O ideal seria comprar essas passagens junto com a sua passagem internacional para baratear o preço. Para pesquisar os preços desses trechos isoladamente, você pode usar o http://www.kayak.com. Sobre as cidades a escolher, os deslocamentos favorecem ir a Berlim (4 noites) e Praga (3 noites) ou a Budapeste e Praga, com deslocamento de trem entre elas. É que essas cidades estão mais próximas e, se você decidisse ir para Berlim e Budapeste, teria de fazer uma viagem de cerca de 12 horas de trem… Não vale a pena. Em Berlim, você pode ficar em Mitte mesmo. É uma ótima localização! Pesquise hotéis perto da Alexanderplatz, que vai facilitar seus deslocamentos, inclusive do aeroporto, pois o ônibus que vai para lá sai dessa praça. O hotel em que fiquei foi nessa região, e eu adorei: https://cadernosdeviagem.wordpress.com/2010/08/09/hotel-em-berlim-motel-one-alexanderplatz/ Se tiver mais alguma dúvida, é só perguntar!

  8. 14 Leila 16/05/2011 às 2:56

    Cara Vanessa,
    Por favor me perdoe a indelicadeza. Só agora,neste exato momento reencontro os Cadernos 2.43 do dia 16 de maio).
    Tive um problema de saúde com meu filho e me afastei. Quando retornei não lembrava mais onde te encontrara e escrevera.
    Achei que tinha sido em outro espaço e creio que encontrei a tua descrição sobre Praga e Budapeste. Amei!

    Muitíssimo obrigada por tua resposta tão completa e sábia. tens toda razão o tempo é mínimo. Mas,resolvemos ir direto a Praga (TAP) (ainda não definimos o Hotel) e de lá para Berlim e Lisboa e o Hotel fica bem junto da Alexanderplatz. Anotei tuas dicas todas e seja o que Deus quiser.
    Lembro que li uma citação sobre um Hotel em Praga, numa área de ruas pequenas,no outro lado da ponte indicado também pelo VnaV. Acho que o nome era Hotel Kampa Garden. Não é muito isolado,dá para sair à noite?
    Um abraço grande
    Leila

    • 15 Wanessa 16/05/2011 às 8:22

      Oi, Leila! Não se preocupe! Eu vi que você tinha deixado sua pergunta no VnV, mas, como tinha respondido por aqui, não transcrevi a resposta. Meu relato lá no VnV é esse: http://www.viajenaviagem.com/2011/04/budapeste-viena-praga-use-a-receita-da-wanessa/ Que bom que você escolheu apenas duas cidades, porque assim vai aproveitar bem melhor a viagem. O hotel em Praga é esse mesmo, e não precisa ter medo. Ele fica muito perto da Ponte Carlos, que é muito movimentada, e é seguro caminhar ali mesmo à noite. Eu nunca voltei muito tarde, no máximo, às 23:00h, mas, até esse horário, foi bem tranqüilo pegar o metrô ou um tram e caminhar até o hotel, e olha que eu estava sozinha! Aliás, o Hotel Kampa Garden é perfeito para aquele programa de acordar cedo e ir tirar umas fotos na Ponte Carlos, antes que as hordas invadam o lugar. Eu consegui uma tarifa bem barata pra esse hotel, então, apesar da simplicidade do quarto, a relação custo benefício foi ótima!

  9. 16 tati 12/10/2011 às 21:49

    Prezada Wanessa
    Já reservei a hospedagem em Praga e Budapeste e, agora, estou aqui tentando comprar a passagem de trem, que é para o noturno mesmo (somos um grupo de 4), mas não consigo no site da bahn (cia alemã) e no da tcheca, só consigo comprar se for para que mandem o bilhete para um endereço que devo indicar (o do hotel, acredito eu), você sabe se é confiável? O site é este http://czech-transport.com/index.php?id=3996
    Muito obrigada
    Tati

  10. 18 João. 04/03/2012 às 8:06

    Oi, Wanessa.
    Reservei 2 ingressos para o balé Giselle para 24/04 próximo na Ópera e depois li sobre a roupa – eles incentivam a elegância! Como viajamos de jeans e tênis, sapatênis, etc fiquei pensando se teremos problemas…
    Será? Gostaria da tua opinião.
    Aproveito para elogiar novamente o teu “diário de viagem” – excelente, ajuda muito!!!
    Abraço, JoãoClarice.

    • 19 Wanessa 04/03/2012 às 9:55

      Oi, João e Clarice! Obrigada pela visita! Dêem uma olhada nessa página, que é do teatro Bolshoi, em Moscou, mas se aplica pra todos: http://www.bolshoi.ru/en/visit/sbory/ (Clarice, o modelito do lado esquerdo é de gosto meio duvidoso, mas… :-)) O dress code nesses teatros é bem variado, tem gente vestida de todo jeito, inclusive de jeans e tênis, vindo direto dos passeios do dia. Acho que a etiqueta só é mais rígida numa noite de gala ou em algum evento especial. Quem compra um ingresso mais caro, onde a platéia não tem tantos turistas, deve estar preparado pra chamar mais atenção pelo excesso de informalidade. Eu costumo levar um vestido, uma bolsa menor e uma sapatilha mais arrumadinha. Essas peças não ocupam muito espaço na mala e resolvem o problema. Ah! Giselle é um balé lindo, vocês vão gostar!

  11. 20 João. 04/03/2012 às 14:20

    Wanessa,
    grato pelo retorno.
    Acho que não vão nos barrar na Ópera, então.
    Aproveito para outra pergunta: reservei no Kampa Garden também e, pela programação noturna, distância até Mala Strana, segurança, fiquei pensando se não seria melhor um hotel mais central, em Stare Mesto.
    Que achas, é seguro andar à noite, a pé principalmente?
    Grato mais uma vez. Abs.

    • 21 Wanessa 04/03/2012 às 17:42

      Achei bastante seguro, João. Eu fui ao teatro 3 vezes em Praga e sempre voltei pro hotel usando transporte público (metrô ou um tram que passa do outro lado da Ponte Carlos) ou caminhando mesmo, e eu estava sozinha nessa viagem. Quando perguntei sobre segurança na recepção do Kampa, me disseram que era bastante seguro voltar assim e, de fato, encontrei muita gente nas ruas. Seria outra história se eu quisesse voltar de madrugada…

      • 22 João. 04/03/2012 às 20:20

        Obrigado, Wanessa.
        Se me lembrar de alguma outra coisa importante volto a importunar.
        Abs, João.

  12. 23 Lilian Cysne 22/04/2012 às 12:24

    Wanessa,,
    Vi seus comentários postados no VnV sobre Praga e Budapeste e gostaria de sua ajuda. Iremos(eu e minha cunhada) a Budapeste chegando no dia 31 de agosto (sexta feira) desse ano pelas duas da tarde -passagem comprada. Nosso único compromisso será chegar em Milão no dia 04.9(terça feira) à noite para nos encontrarmos com um grupo para fazer parte da Itália de carro. Eu, diferentemente da minha cunhada, nunca estive no Leste Europeu, e claro, gostaria muito de aproveitar e ver além de Budapeste, Praga!.. Mas só temos quatro noites 😦 o que vc me aconselha? Ao que parece Praga tem mais o que ver, será que não seria melhor passar só um dia em Budapeste e ir à Praga? Pois a princípio as pessoas me dizem que quatro noites em Budapeste seria demais. Se vc acha que seria melhor fazer só Budapeste, como eu poderia aproveitar todos os dias,s em ficar moótono?
    bjs,Lilian (se puder me responder por email também agradeço)

    • 24 Wanessa 25/04/2012 às 8:01

      Lilian,

      Eu gosto de viajar num ritmo tranquilo. Por isso, na minha opinião, o tempo que você tem é suficiente só para Budapeste ou só para Praga. Se você optar por dividir seu tempo entre as cidades, vai acabar vendo tudo de forma corrida, principalmente em Praga, que tem mesmo mais atrações que Budapeste. Leve em conta que você vai chegar no dia 31.08, cansada de um vôo intercontinental e, para ir a Praga, vai ter de tirar ainda uma parte de um dia para o seu deslocamento e ainda outro tanto para ir de Praga a Milão. Então, você tem 4 noites, mas não 4 dias para conhecer as cidades (estou connsiderando que você ainda não tem a passagem Budapeste – Milão e poderia comprar uma direto de Praga, porque, se ainda tiver de voltar de Praga pra Budapeste…).

      Tente pesquisar se há trens noturnos entre Budapeste e Praga, pra economizar tempo. Não seria a minha escolha, porque não dispenso uma noite bem dormida, mas você pode achar que vale a pena. Uso o site das ferrovias alemãs pra essas pesquisas – http://www.bahn.de/i/view/overseas/en/index.shtml (não dá pra comprar a passagem nele, mas tem horários de todos os trens na Europa, mesmo os que não passam pela Alemanha. Pra comprar passagem de trem saindo da Hungria, no tempo da minha viagem, ainda não dava pra fazer pela internet). Também há um voo direto pela Czech Airlines chegando bem cedinho a Praga, o que seria conveniente para você: http://www.kayak.com/#/flights/BUD-PRG/2012-09-02

      Os blogs que têm os melhores roteiros de Budapeste e Praga são esses, que já deixei no post lá do VnV:
      http://big-trip.net/
      http://www.viaggio-mondo.com/
      http://www.drieverywhere.net/

      Se você tiver outras dúvidas na sua pesquisa, pode deixar aqui que vou tentando responde.

      • 25 Lilian 25/04/2012 às 23:45

        Wanessa,
        Adorei sua resposta, principalmente porque a gente ver que vc teve o trabalho de pesquisar, indicar os sites, etc. Minha “idala”!rsrs. Sua resposta foi muito sensata. Vou seguir seu conselho e fazer somente Budapeste. Darei uma olhada nas dicas sugeridas.bjs
        Lilian

  13. 27 Ana Claudia 14/05/2012 às 17:14

    Wanessa, tem alguma dica para comprar a passagem de trem Praga-Berlim pelo site da DB? Sempre pedem o número do telefone particular, com código do país, mas mesmo digitando 5581XXXXXXXX, ele não aceita! Pelo site da ferroviária da Rep. Tcheca tb é impossível, porque diz que não há trem entre Praga e Berlim no dia que eu quero (estranho…)
    Obrigada!

    • 28 Wanessa 14/05/2012 às 21:31

      Oi, Ana Cláudia! Eu não cheguei a comprar passagens no site da DB, que uso muito, mas só pra consulta de horários. Tentei simular agora, mas infelizmente a página que pede o telefone é a mesma das informações sobre o cartão de crédito, então, se desse certo, eu teria comprado a passagem! No seu lugar, eu tentaria duas coisas: colocar o telefone na forma “+55…” Esse + corresponde ao código de ligações internacionais. A segunda ideia é você se registrar no site antes de fazer a compra, porque imagino que assim não vai precisar preencher o cadastro todo na hora da compra. Também entrei no site da companhia tcheca e apareceram trens na data que pesquisei (os mesmos da DB) e disponíveis para a compra de passagens. Pode ser que você esteja procurando uma data muito avançada, ainda não disponível no site da República Tcheca.

  14. 29 João. 14/05/2012 às 23:24

    Oi, Wanessa.
    Voltamos do nosso roteiro pelo Leste Europeu, teu excelente post no VnV foi fundamental para organizarmos nossa viagem.
    Gostamos muito do balé Giselle na Ópera de Praga, valeu a dica!
    Pergunto se posso deixar alguns comentários aqui no blog.
    Abraço, JoãoClarice.

    • 30 Wanessa 15/05/2012 às 6:32

      Que bom que pude ajudar vocês, João! Pode comentar à vontade! Embora o blog não tenha muito conteúdo dessa viagem, sempre aparece alguém que pode aproveitar as informações.

  15. 32 João. 15/05/2012 às 10:05

    Olá!
    Estamos voltando de viagem por Budapeste-Viena-Praga-Paris (só 1 “diazinho” para matar a saudade!!!).

    Com a permissão da Wanessa, gostaria de deixar algumas informações que podem ser úteis.

    Em Budapeste (linda e ampla cidade, pessoal ameno e receptivo) a dica é o hotel La Prima, na rua Pesti Barnabás, nº 6. É um hotel novo e moderno, inaugurado em 2011, muito bem localizado (meia quadra da rua Vaci e 1 quadra e meia do Danúbio, próximo à ponte Elizabeth), excelente serviço, staff atencioso, 82 euros/dia, com café-da-manhã, reservei pelo booking.

    Bem embaixo do hotel tem um restaurante italiano, La Porta di Taormina, muito recomendável, música suave ao vivo, 49 euros para 2 pessoas (entrada, prato, vinho, café).
    Outra dica gastronômica – restaurante Menza, próximo ao Conservatório Lizst. Ambiente moderno, boa cozinha típica.

    Por falar no Conservatório, não pudemos visitá~lo, pois está em obras. Uma pena!

    Nós tomamos o ônibus turístico HopON HopOFF nos 2 primeiros dias, o que facilitou o deslocamento e localização na cidade e inclui ida e volta à ilha Margarida. Nos outros 2 dias ficamos “on my own”.

    Vale muito um passeio pela Ilha Margarida – muito bem cuidada, toda florida, local de lazer para os nativos, momento para não fazer nada e depois descansar…

    Vale também subir na torre da Basílica de Santo Estevão, a vista é muito linda, tem-se uma boa noção de Budapeste lá de cima. Tem elevador!

    No lado Buda, o Castelo, o Bastião dos Pescadores e a Igreja Matyas… subir no funicular é pitoresco!

    Tomar cuidado na estação Keleti – há uma máfia com uniforme da MAV que, a pretexto de ajudar na localização da plataforma e dos trens, procura extorquir o turista. De mim levaram 2 euros somente, mas vi literalmente pegarem da carteira de um casal de japoneses uma nota, só não vi quanto… melhor não aceitar ajuda!!!

  16. 33 João. 15/05/2012 às 10:11

    continuando…

    Viena impressionou pela limpeza, organização, segurança e funcionalidade da cidade – o transporte é integrado (metrô, tram, ônibus); não se vê policiamento ostensivo e parece não haver controles – compramos o passe de transporte de 72h e nunca nos solicitaram!

    A dica de hotel para quem chega de trem de Budapeste (nosso caso!) é o Motel One, junto à estação Westbahnhoff – novo, funcional, bom serviço, 69 euros/dia para 2 pessoas, sem café-da-manhã (acho que era uma promoção, pois tinha reservado por 84 euros e a diferença a menor veio em boa hora!). É do tipo Ibis – grande, talvez meio impessoal, mas na minha opinião, um Ibis melhorado! A distância ao centro não foi problema: uma boa caminhada pela rua Mariahilfer ou o metrô resolvem o assunto…

    Vale muito uma visita à Ópera de Viena, mesmo somente como tour, e também ao Musikverein (aqui assistimos a Filarmônica e a Sinfônica de Viena, simplesmente fantásticas!)

    Válida também uma ida ao Teatro de Marionetes do Palácio Schonbrunn (assistimos à Flauta Mágica de Mozart – excelente, a sincronia do movimento das marionetes com a música é fora-de-série!). É em alemão, lógico, mas tem folder em espanhol sobre o espetáculo, o treinamento dos “marioneteiros” e a confecção das marionetes.

    O Museu Freud e a Mozarthaus valem a visita também!

    Fomos ainda assistir a apresentação de cavalos na Escola de Equitação Espanhola no Palácio Hofburg, centro de Viena – o treinamento dos animais é impressionante!

    Em relação a restaurantes – o Figlmüller, desde 1905 (o maior schnitzel de Viena!), é recomendável; válida também é uma ida à Grinzing para almoçar numa Heuringen (taverna) – servem schnitzel, entre ouros pratos, e vinho do ano. Pegue o tram 38 na estação Schottentor e vá até o fim da linha.

    De Viena fomos de trem para Praga.
    Continua…

  17. 34 João. 15/05/2012 às 10:16

    continuando…

    Praga é mais suja que Budapeste e Viena, principalmente, mas tem seus encantos.
    O Relógio Astronômico na praça da Prefeitura / Staromestské Námestí, cujas baladadas são puxadas por um esqueleto, é fantástico. Fiquei com a impressão que os tchecos pensam na morte e lidam muito bem ela, certamente reflexo da história deste povo!

    Ficamos no hotel Falkensteiner Maria Prag, na frente da estação de trens. A zona não é assim uma brastemp, como diria o Comandante do Vnv Ricardo Freire, mas facilitou a chegada e a saída com as malas e a ida à Ópera, localizada a 2 quadras do hotel, na mesma noite da chegada. Bom hotel, bom serviço, pessoal atencioso e prestativo, café-da-manhã exagerado até, 101 euros a diária para 2 pessoas com CM, reservei pelo booking.

    Além dos passeios básicos, recomendaria a Ópera (assistimos o balé Gisele – fantástico, obrigado pela recomendação Wanessa!), o Rudolfinum (assistimos a Filarmônica Tcheca na sua própria casa, a sala é belíssima, excelente programa!) e a Smetana Hall, a Casa Municipal (lindíssima decoração, assistimos a um quinteto de cordas tocando Mozart e Dvorák).

    Vale também uma visita ao Museu do Comunismo – muitas peças da época, bustos, estátuas de Lenin e Stálin, a propaganda comunista, registros da Primavera de Praga e da queda do comunismo. Fiquei com a idéia que o regime comunista mentiu muito sobre o Ocidente, exagerando seus defeitos e suas mazelas para a população, e que a democracia ocidental foi mais realista e verdadeira conosco sobre o comunismo.

    Imperdível é o Museu Kafka, em Mala Strana, faz pensar!

    Há uma instalação do polêmico escultor tcheco David Cerny na frente do museu (2 homens urinando sobre o mapa da República Tcheca, um deles inclusive, mexe com o quadril para um lado e para outro – entenda se puder!) e várias outras espalhadas pela cidade.

    Restaurantes, recomendaria o U Laury, Nerudova 10 (na subida para o castelo, calçada da direita para quem sobe) – entra-se por uma grande porta, é um pátio interno, muito acolhedor; comemos uma tábua tcheca para 2 pessoas – carne de pato, cervo, porco junto pirê assado, pão de arroz e salada mista, acompanhando de 500ml de cerveja pilsen – o almoço foi às 15h e o prato é tão farto que não conseguimos jantar naquela noite!
    E um restaurante, não lembro o nome, que fica no pátio interno atrás do museu do comunismo. Comida típica, garçonete muito atenciosa. Não confundir com o McDonald’s que existe junto!

    continua…

  18. 35 João. 15/05/2012 às 10:24

    finalizando…

    Em Praga fomos para o aeroporto num ônibus (express shuttle) que se pega na estação central – foi um pouco trabalhoso, meio complicado achar o local, mal sinalizado, ônibus cheio, teria sido bem mais confortável um transfer, embora mais caro; preço: 2 euros por pessoa. Não recomendo, melhor o transfer a 20 euros para 2 pessoas!

    Finalmente Paris!

    Chegamos às 15h e, como era uma noite só, ficamos Ibis do aeroporto CDG, fizemos o check-in e fomos direto para o centro.
    Pegamos o RER (não recomendo – trem velho, sujo, muito cheio, desconfortável, melhor o Roissy Bus até a Ópera) e caminhamos pela Íle de la Cité, Sena, Notre Dame e por Saint Germain, onde havíamos ficado em 2010.
    Foi muito prazeroso este passeio descompromissado!

    Quero deixar a recomendação da rua Gregoire de Tours – é uma travessa do Boulevard Saint Germain, onde existem vários restaurantes.
    Jantamos na creperia La Petit Tour, no nº 6. É a 3ª vez que jantamos lá, 2 em 2010 quando ficamos 10 dias em Paris, e continua muito boa, recomendável, embora o preço tenha subido sensivelmente.
    Voltamos para o CDG por volta das 22h no RER, a volta foi bem mais tranquila, quase sem paradas intermediárias e, na manhã seguinte, tomamos o vôo para o Brasil.
    A ilusão, ou melhor, as férias, estavam acabando…

    Era isto, pessoal. Espero que ajude alguns viajantes.
    Wanessa, espero não ter abusado!
    Abs.

    • 36 Wanessa 15/05/2012 às 20:56

      Obrigada pelo relato, João! Para fazer justiça a suas valiosas dicas, transformei os comentários em um post. Fiquei com saudade e com inveja de alguns programas que vocês fizeram e eu não consegui fazer (como ver a Filarmônica de Viena, por exemplo…). Mas já vou aproveitar sua dica de restaurante em Paris em breve!

  19. 37 Apoenna 16/06/2012 às 22:49

    Olá Wanessa,

    Espero que voce possa me ajudar =)…. estou querendo ir de Praga à Viena dia 29/07/2012 e gostaria de saber qual a melhor forma!

    Estou encontrando de trem, apenas, pela agencia Czech transport que pelo que li nao é muito recomendada .. voce sabe dizer se tem outra empresa?

    Obrigada,

    Apoenna

  20. 39 Liliane Alves 30/09/2012 às 19:58

    Olá Wanessa
    Achei seu roteiro no Viaje e adorei. Mas somente posso viajar em março… será que dá prá aguentar o frio? Tive a impressão que você viajou nessa época…
    Abraços
    Liliane

    • 40 Wanessa 01/10/2012 às 18:30

      Oi, Liliane! Eu fui a Berlin e à Polônia entre maio e junho e a Budapeste-Viena-Praga, no finalzinho de março e começo de abril do ano seguinte (o roteiro que está no post foi quebrado em duas viagens diferentes). Nas duas, peguei temperaturas bem suportáveis, com frio mais intenso só no começo da manhã. Acho que você nao vai ter problemas, especialmente se tiver roupas apropriadas. Se você for a Berlim, aconselho que leia um post que o Alessandro escreveu e deixou de sugestão aqui recentemente. Esta fantástico! http://fuievouvoltar.com/2012/09/02/berlin-i-mog-di/

  21. 41 Marilene 01/03/2013 às 13:23

    Olá Wanessa,
    Li seu roteiro de viagem e o do João tbém e já começo a sonhar! Nossa família (05 adultos) irá ao leste europeu em 20/12/13 e teremos aprox. 15 dias para conhecer algumas cidades incluindo Budapest e Praga. É o período do ano que dispomos para viajar. O que vc nos sugere? Encontraremos locais fechados em alguns dias? A língua inglesa é usada por todos?
    Enfim, gostaria da sua valiosa ajuda em tudo o que devo saber antes de me aventurar nesse lado do mundo, pois fui incumbida da pesquisa e roteiro.
    Agradeço desde já.
    Marilene

    • 42 Wanessa 01/03/2013 às 20:06

      Olá, Marilene!

      15 dias é tempo suficiente para ver de 3 a 4 cidades. Como você ainda está na fase inicial do planejamento, sugiro que leia bastante sobre a região para definir quais os lugares que vocês querem visitar, com base nos seus gostos pessoais.

      Haverá alguns feriados no período da sua viagem (Natal e 1º de janeiro), mas, em compensação, vocês vão poder aproveitar uma atração bem típica desse período e que não temos no Brasil, que são os mercados de Natal, além de ter a chance de um “snow christmas”, passar o Natal na neve!

      Nessa região que vocês pretendem visitar, é fácil se comunicar em inglês. Claro que vão aparecer pessoas que não falam a língua, principalmente em cidades menores e fora de áreas turísticas, mas é fácil encontrar quem fale inglês também. Não vai haver dificuldade na comunicação.

      Sugiro que você faça algumas pesquisar para definir melhor o que quer ver. Se tiver dúvidas sobre como montar o roteiro entre as cidades escolhidas, deixe suas perguntas por aqui que vou respondendo, ok?

      Wanessa

      • 43 Marilene 04/03/2013 às 20:31

        Olá Wanessa,
        Já estou iniciando minhas pesquisas sobre a região, especialmente no VnV, e agradeço muito sua resposta.
        Abraço,
        Marilrene

  22. 44 Iveslys 28/10/2013 às 16:49

    Oi Wanessa
    Irei de Sao Paulo para Londres ,no natal , ficaríamos lá mas resolvi alterar os planos e ir primeiro a Praga, sei que errei no roteiro ,mas …agora não dá para mudar ! Nunca utilizei trem , estou com meus filhos adolescentes e acho que poderia ser uma experiência nova, mas aceito sua sábia sugestao para outro meio de transporte.
    Por favor me ajude nessa aventura de última hora !
    Grande abraço ,

    • 45 Wanessa 28/10/2013 às 17:38

      Ol, Ines! No consegui entender muito bem sua dvida: voc quer ir de Praga a Londres de trem? Se for isso, no acho uma boa ideia, pois essa viagem muito longa (pelo menos 13 horas e meia, e isso se voc fizer um trecho de nibus), e exige vrias conexes. Para uma viagem to longa, o melhor o avio mesmo. Deixe o trem para viagens de at 3 ou 4 horas de durao. Boa viagem!

  23. 46 Iveslys 29/10/2013 às 14:51

    Oi Wanessa
    Obrigada ,por compartilhar sua experiência .Iremos de avião .
    Grande abraço .

  24. 47 Lívia 19/11/2013 às 10:01

    Olá! Adorei as dicas… Viajo agora em janeiro para Berlim, Praga, Budapeste e Viena e, no início, pensei em levar só dinheiro, mas acabei achando perigoso. O Visa Travel Money é bem aceito nesses lugares? Vc teve alguma dificuldade em sacar dinheiro? Obrigada.

    • 48 Wanessa 20/11/2013 às 6:37

      Lívia, usei o VTM sem nenhum problema em todos esses países. A maioria dos lugares aceita cartão, e é fácil achar caixas eletrônicos para fazer saques. A única desvantagem do VTM nessa situação é que, em Praga e Budapeste, como as moedas da República Tcheca e da Hungria não são o euro, você paga uma taxa de conversão quando sacar o dinheiro nas moedas locais. Mas eu continuo achando que a segurança que esse cartão proporciona vale a pena, pois não tenho mais costume de carregar muito dinheiro na carteira, e isso me incomoda, mesmo em viagens.
      Boa viagem!

  25. 49 Lilian 22/04/2014 às 23:22

    Oi,Wanessa
    Ano passado vim muito ao Seu blog enquanto organizava a viagem ao Peru e consegui resolver muitas duvidas.Esse ano estou as voltas com Berlim,Praga,Viena e Budapeste.Preciso ver preco de Viena para Budapeste de trem e em qual estacao chegarei para decidir o hotel de Budapeste.Voce comprou passagem online ? Em que site ? Vc sabe em que estacao o trem chega ?
    Obrigada,Lilian

    • 50 Wanessa 23/04/2014 às 19:24

      Olá, Lilian!

      Fico feliz que o blog tenha ajudado na sua outra viagem e espero colaborar novamente.

      Para comprar a passagem de Viena a Budapeste, você pode usar o site oficial das ferrovias austríacas: http://www.oebb.at/en/. Foi lá que comprei.

      A chegada em Budapeste é pela estação Keleti, mas a região nao é a melhor para se hospedar. Prefira ficar no começo da Vaci Utca, perto da Vorosmarty Ter (Praça Vorosmarty). De lá, vc consegue fazer quase todos os passeios a pé e tem boas estações de metro para ir às atracões mais distantes.

      Se surgirem outras duvidas, é só perguntar!

  26. 51 Andrea 18/08/2014 às 14:02

    Oi Wanessa,

    Gostaria do seu auxílio por favor!
    Fiz algumas alterações no meu roteiro e gostaria da sua opinião.
    Meu roteiro será o seguinte:
    Vou sair do Rio para Munique e voltar por Budapeste, a ordem ficou assim porque foi o que consegui através do Smiles, não tive alternativa, então estou tentando distribuir os 24 dias entre essas cidades abaixo.
    Munique – 5 noites contando com o dia da chegada. Sendo que um dia será destinado para conhecer os Castelos em Fussen.
    Innsbruck – 2 noites
    Salzburg – 2 noites
    Viena – 5 noites contando com o dia da chegada.
    Praga – 5 noites contando com o dia da chegada. Sendo que um dia irei a Cesky Krumlov num day-trip.
    Budapeste – 5 noites contando com o dia da chegada.
    O que você acha?
    Você acha que 3 dias inteiros mais um pedaço do dia em que vou chegar dá visitar bastante lugares em Praga? Ou você faria alguma modificação em alguma outra cidade? Já pensei em diminuir um dia em Salzburg, fazer um day-trip e aumentar um dia em Praga. O que você sugere?
    Muito obrigada desde já,
    Andrea

    • 52 Wanessa 20/08/2014 às 20:49

      Oi, Andrea!

      Não visitei Munique, Innsbruck e Salzburg, mas acho que a divisão dos dias está boa, pelo que já li sobre essas cidades.

      Como você, estou sentindo falta de mais um dia em Praga. Que tal se você fizer a sua passagem por Cesky Krumlov no caminho entre Viena e Praga? Considerei incluir essa cidadezinha no meu roteiro como uma parada no meio desse deslocamento, mas desisti, porque preferi ir em outra viagem, com tempo pra ficar uma noite por lá. Tem uns posts antiguinhos no Filigrana que contam como fazer esse passeio assim:
      http://majots.wordpress.com/2009/08/12/viena-por-paula-e-fred/
      http://majots.wordpress.com/2009/08/26/cesky-krumlov/

      Ou você pode também tirar um dia de Budapeste, onde 4 noites já vão te dar 3 dias inteiros, que são suficientes para conhecer a cidade.

      Não sou muito fã dessas viagens de um dia, acho muito cansativo e acabo sempre correndo pra querer ver um monte de coisas e um dia não dá tempo nem de a gente sentir o clima da cidade. Por isso, eu prefiro não mexer nos dias de Salzburgo (a menos que você a deixe pra uma outra viagem…).

      • 53 Andrea 20/08/2014 às 22:20

        Oi Wanessa,

        Muito obrigada pelas dicas, acho que vou estudar a possibilidade de fazer o que você sugeriu que é conhecer Cesky Krumlov no caminho de Viena para Praga. Qualquer coisa volta a te incomodar mais um pouquinho.
        Muito obrigada mais uma vez,
        bjos
        Andrea

  27. 55 Airton 27/11/2014 às 16:38

    Olá! Já fiz esse roteiro. É ótimo. Mas a cidade mais linda que já vi foi Wroclaw (Breslávia) no sudoeste da Polônia e perto de Praga.

  28. 56 Rosi 28/12/2014 às 8:41

    Ola Wanessa! Você ja utilizou a companhia Eurolot? Tem alguma referência?

    Obrigada!

  29. 57 Carla longo 19/05/2015 às 10:29

    Oi Vanessa! Vou para a Polônia em julho/16 , Gniezno. Amo cidade pequena que mostra a cultura, costumes e paisagens lindas. Quais países vc recomenda, não vou com muito dinheiro. Gostaria de conhecer Amsterdan, Áustria, Ucrânia.
    Fico no aguardo

    • 58 Eduardo 30/07/2015 às 14:36

      Boa Tarde, Carla! Também estou indo a Polonia em Julho/16. Podemos entrar em contato?

  30. 59 Andrea 10/02/2016 às 21:31

    Ola, Wanessa,
    Estou planejando viajar para Berlim-Praga-Viena-Budapeste-Cracovia em abril.
    Ja li várias dicas do pessoal nos comentários 😊
    Foi o site mais legal que ja encontrei!
    Gostaria de dicas por onde começar, se existe algum trajeto que valha mais a pena.
    Dica de hotéis nesses lugares w qtos dias achaque seria necessário para conhecer legal cada um desses lugares.
    Desde ja mto obrigada,

    Andrea

  31. 60 simone 12/05/2016 às 12:04

    heeeeeeeeelp me

    1 – Primeiro item, qual melhor mes FEV/17 ou JUL/17? (pensando em preço e tempo sem ser muito frio rs)

    2 – Vou eu e meu namora, não falamos inglês fluente, somente o básico do básico .. por qual pais você indicaria para gente chegar, nos aeroportos da Europa o vista é na hora né? tem entrevista? Se sim .. pensei em chegar por Lisboa ..
    Ok , dai chego por Lisboa, dai viajo para Madri ou Busdapeste ou barcelona por avião chegando de novo no aeroporto de outro pais tem outras entrevistas? Como funciona?

    3 – Olha como seria meu Roteiro:

    4 dias – lisboa
    4 dias – madri ou barcelona ou berlin ou bruxelas ou Genova (Dai de lisboa qual dessas cidades (paises) posso ir para ficar 4 dias, que o custo de hospedagem alimentação não é tão caro, tem como visitar algum região do lado para aproveitar)? – pensei em Genova e Barcelona por causa da praia kk

    6 dias – praga ou budapeste ou viena ou bradislava (que são as cidades fora da zona do euro, melhor preço hospedagem, alimentação que posso aproveitar e conhecer alguma cidade da região)

    e por onde posso voltar, por lisboa .. + 1 dia

    Lugares que a comunicação seja facil de entender como espanhol, custo hospedagem, alimentação ..
    Se eu ficar rodado de paises teria que toda hora ficar trocando $$ em casa de cambio?
    ou levaria somente cartão de credito, e no lado da Hungria a moda é mais barata e queria aproveitar mais lá ..

    Aguardo ajuda .. pliss.


  1. 1 Um roteiro de viagem por Budapeste, Viena e Praga: o relato do João « Cadernos de Viagem Trackback em 15/05/2012 às 20:52
Comments are currently closed.



Blogs de Viagem

%d blogueiros gostam disto: